Ads Top

Engenheira de Som de Lil Uzi Vert conta processo de gravação do rapper


Lil Uzi Vert, supostamente, gosta de uma casa cheia quando ele grava suas faixas.

Lil Uzi Vert é uma das maiores estrelas jovens do mundo do rap, atingindo outro nível de fama com a força de seu single “XO Tour Llif3”. No entanto, apesar do fato de ele ser uma figura bem conhecida na indústria, muito pouco realmente foi tornado público sobre o processo de gravação – isto é, até agora.
A engenheira de longa data de Uzi, Kesha Lee, contou alguns desses segredos para uma revista no Reino Unido chamada Sound on Sound, que é uma revista de tecnologia de gravação. Lee foi responsável por toda a engenharia das mixtapes e EPs do rapper desde 2015, além de misturar quatro músicas de seu álbum de estréia muito popular, Luv Is Rage 2. O processo é, pelo menos, provavelmente não o que a maioria As pessoas esperariam de um hitmaker como Uzi.
Lil Uzi Vert está tentando abandonar as drogas depois da morte de Lil Peep
Lee explicou como ele vai adquirir as batidas que ele gosta. “As pessoas enviam por e-mail para o Uzi batidas e ele as envia para mim, ou vou chegar e dizer:” Ei, estamos no estúdio, você pode enviar alguns beats? “, Disse. “Eu vou pegar as batidas, e muitas vezes ele quer ouvir tudo antes de escolher algo. Ele realmente não gosta de ouvir cada batida com muito detalhe antes de entrar para gravar. Ele simplesmente entra e grava. Ele não começa fazendo como um verso inteiro. Em vez disso, ele fará as coisas de linha a linha e eu estarei entrando”. Essa abordagem metódica ocorre entre um mar de pessoas que Lee diz que segue para o estúdio com o rapper.
“Uzi terá todos os seus amigos no estúdio, mas apenas três de nós trabalhamos na música”, continuou ela. “Cannon faz as batidas, ou ele vai desempenhar mais um papel executivo, onde ele pega batalhas de outras pessoas. Uzi faz o seu próprio”.
Parte da química entre Lee e Lil Uzi Vert é como ela o capacita a criar na mosca sem muita dificuldade. “Eu vou mesmo deixá-lo fazer suas próprias rimas onde você só o ouve e não há música tocando”, acrescentou. “Vou colocar a faixa na automação, e eu vou deixá-lo pressionar o botão mudo para que ele possa fazer as rimas/refrões quando ele quiser, e então, quando ele clica novamente no mudo, a trilha voltará”.

This is the greatest honor to be in a magazine that Ive known of and have gone to for music technology knowledge. All of the greats have an Inside Track column and now I'm in it, the 4th woman since founded in 1985. I don't have words for all that I want to say, but just know that I had plans for my life.. God had different... His way was better. Far better than I could ever imagine. I'm glad I remained open to his direction because who knows what I would have been doing with my life if I kept trying to be a singer... He took me down a path that wasn't crowded, my own lane, something I never knew I would enjoy.. All of the things I took interest in led me to my true passion and I see how important every part of my journey was and is... still have a ways to go but far from where I used to be 🎈⭐ @soundonsoundmag . . . #engineer #audioengineer #mixengineer #soundengineer #soundonsound #journey #recordingstudio #studio #music
Uma publicação compartilhada por ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ 🎶Kesha Lee🎶 (@engineerklee) em

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.